Projetar futuro no tapete digital

@JM | CR | 1 de junho 2020

Ir ao encontro dos desafios e entrar sem rodeios nas interrogações que se colocam sobre o futuro da modalidade parecem ser os objetivos da ação de formação dirigida a árbitros, treinadores e dirigentes do judo que terá lugar já na próxima quarta-feira dia 3 de junho a partir de Santarém.

Interrogações legítimas

As políticas de desenvolvimento da modalidade estarão em cima da mesa sabendo-se que as interrogações são mais que muitas porque o contexto criado desde março passado, com a COVID-19, estará longe de ficar clarificado. O peso dos constrangimentos vai por certo ser avaliado e o desenho de um eventual ciclo de transição hipoteticamente equacionado.

Novas competências

Judonline, o judo e os novos desafios é a designação da ação que decorrerá em formato webinar e que terá início pelas 21h30. Os organizadores, a Associação de Judo do Distrito de Santarém e o IFJDA, dão continuidade a uma iniciativa formativa que procura ser útil para os diversos atores da modalidade e cumprir uma missão de apoio ao desenvolvimento das suas competências.

Judo, clubes e JO

No caso, os temas previstos para a sessão são de elevada amplitude e abrangência sendo preocupação dos organizadores assegurar uma forte diversidade temática como as políticas de desenvolvimento a nível nacional, as estratégias de afirmação e consolidação dos clubes a nível local e os desafios dos Jogos Olímpicos 2020-202.

Pensamento estratégico

Será o próprio presidente da Federação Portuguesa de Judo, Jorge Fernandes, que orientará uma parte significativa dos trabalhos. Com eles estará ainda Renato Kobayashi que sendo atleta e treinador com credenciais firmadas pelo seu passado é hoje um pensador das relações estruturantes dos clubes com as respetivas comunidades. Nesse plano Renato Kobayashi numa recente entrevista à Judo Magazine afirmava claramente a importância estratégica dos projetos de judo serem coerentes e desenvolverem uma relação estratégica com as diversas escolas, com destaque para a escola pública.

Rasgar horizontes

Que lugar será dado à inovação nesta démarche reflexiva que surge como particularmente desafiadora? Alguns céticos associam o crescimento e afirmação da modalidade pelo lado da prudência e dos valores tradicionais, Mas os tempos vão exigir audácia e visões que rasguem horizontes.

Então tudo será permitido, excepto ficar parado. E será essa dinâmica que irá a jogo neste debate de ideias oportunamente promovido pela associação ribatejana.

© Cartaz da AJDS

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *