Urnas deram mandato à continuidade

@ Judo Magazine | 13 julho 2020 | testo de OPINIÃO de Fausto Martins Carvalho | editado

Na véspera da votação para eleger os delegados à Assembleia Geral da FPJ, que ocorreu no passado dia 11 de julho, ouvimos a Presidente da Mesa da Assembleia Geral, Sandra Godinho, que nos deu nota da sua tranquilidade e da sua expetativa otimista num ato eleitoral participado. Publicados os resultados, que analisámos na Judo Magazine de forma sumária e a partir de indicadores de natureza formal, solicitámos entretanto a Fausto Martins Carvalho um comentário e uma interpretação dos dados que vieram a público no site da Federação Portuguesa de Judo. O atual Presidente da Comissão Nacional de Graduações adiantou-nos uma opinião clara sobre os resultados e enfatizou as responsabilidades que estão em cima da mesa para todos os protagonistas da modalidade a partir de agora.

“O processo que ocorre, na FPJ, para a eleição dos delegados à Assembleia Geral que representam os diversos quadrantes estruturais da Organização, FPJ, é um dos actos de maior relevância da e na vivência de uma Federação Desportiva.

Para além de, constituído, ser o Órgão que determina quem assegurará o processo de gestão, no quadriénio que se lhe segue, elegendo os Corpos Sociais, no caso da FPJ, para o período correspondente à Olimpíada, ao novo ciclo olímpico, avaliza, também, o Plano a desenvolver, inerente ao Programa que lhe é apresentado pelo Candidato a Presidente, líder do Grupo que gere a Estrutura.

Tóquio e Paris no quadriénio

A Assembleia Geral tem também a competência e responsabilidade da aprovação dos Orçamentos e Programas de Actividades, Relatórios de Actividades e Contas e Pareceres do Conselho Fiscal. O quadriénio que se segue é de fulcral relevância, por, ao que tudo aponta, poder comportar dois eventos internacionais do mais elevado nível desportivo e social, os Jogos Olímpicos de Tóquio, 2021 e os Jogos Olímpicos, de Paris, 2024.

Trabalho reconhecido

Os resultados deste acto eleitoral reflectem o trabalho perseverante, realizado pelo actual Presidente e sua equipa de colaboradores, Órgãos Sociais e Corpo Técnico e Administrativo, na afirmação da modalidade em todos os quadrantes internos e externos que vem permitindo que o Judo Nacional, tenha o reconhecimento que merece de entidades públicas e privadas, nos meios em que se move.

Recandidatura é previsível

O Movimento Associativo soube reconhecer o trabalho desenvolvido, nos últimos quatro anos e, sabendo da disposição do actual Presidente em se recandidatar ao cargo, para o próximo mandato, votou, massivamente, no projecto que encarna, beneficiando de uma organização eficiente que credibilizou o movimento associativo judoca e seus dinâmicos executores.

Um grande desafio

No Judo, como em tudo na vida, nem tudo é perfeito, mas a modalidade prosseguirá o caminho do sucesso pela acção, empenho e determinação que os seus responsáveis e seus representantes nacionais, regionais, distritais e locais, acreditamos, lhe saberão proporcionar e injectar. É, pois, grande, o desafio que se apresenta aos delegados, ora, eleitos. O Judo merece e espera a sua franca e permanente disponibilização, empenho e saber acumulado.

Saudações judocas. Fausto Martins de Carvalho”

© foto Fausto Carvalho, editada

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *