INTERNACIONAL | Irão tenta neutralizar Mollaei

Irão executa atleta olímpico de luta livre e pretende anular suspensão da FIJ no caso Mollaei

JM | 15 setembro 2020 | O Irão volta a estar na ribalta esta semana com a reunião do Tribunal Arbitral do Desporto em Lausanne que vai apreciar o caso Mollaei e a suspensão da Federação Iraniana de Judo por ter dado orientações ao atual Campeão do Mundo da categoria -81kg de não enfrentar o israelita Sergi Mugi e inviabilizar uma confrontação Irão – Israel.

Depois desta semana ter executado o atleta olímpico iraniano Navid Afkari de forma brutal e impiedosa, alegando a participação do campeão de luta livre em atos de contestação ao regime e de ter soit-disant morto um segurança, o governo do Irão pretende impedir Saeid Mollaei de competir nos próximos Jogos Olímpicos por outro país que não seja o Irão.

Ordem de retirada

Recorde-se que nos Campeonatos do Mundo de Tóquio de agosto do ano passado antes do combate que opôs o atleta iraniano ao russo Khasan Khalmurzaev, Mollaei foi convocado pelo primeiro vice-ministro do desporto do Irão, Davar Zani que ordenou que ele se retirasse da competição.
Mollaei afirmou que Zani o ameaçou e à sua família situação que foi testemunhada por Abdullo Muradov, assistente da responsável de competição da IJF Lisa Allen, que acabou por ser destacada para ajudá-lo depois de apelar para o órgão regulador mundial durante os campeonatos.

Suspensão da Federação Iraniana


A Federação Iraniana de Judo foi suspensa preventivamente pela Federação Internacional de Judo (FIJ) em outubro passado, até que dê garantias de que não boicotarão combates contra adversários israelitas.

O judo é um dos desportos mais fortes do Irão e, embora nunca tenham conquistado uma medalha olímpica, os iranianos seriam fortes candidatos nos reorganizados Jogos do próximo ano em Tóquio.
A IJF adiantou que quaisquer medidas tomadas contra o Irão não se aplicariam diretamente a Tóquio 2021 porque os atletas são tecnicamente registrados por seus comités olímpicos nacionais.
Mas para chegar a Tóquio 2021 depende quase exclusivamente dos pontos do ranking mundial ganhos nos eventos da IJF, será quase impossível para os judocas iranianos se classificarem.

Mollaei catalisador


O recurso iraniano contra a decisão de suspendê-los, originalmente agendado para abril, foi adiado devido à pandemia do COVID-19 e será finalmente tratado amanhã no TAD em Lausanne.
A principal testemunha da IJF é Mollaei, de 28 anos, cujo tratamento durante o Campeonato Mundial na capital japonesa foi o catalisador para a suspensão.
Após o incidente, Mollaei recusou-se a regressar a Teerão e procurou refúgio na Alemanha, com o apoio da IJF. Mollaei desde então adquiriu a cidadania da Mongólia – cujo presidente Khaltmaagiin Battulga é um ex-chefe da Federação de Judo do país – para permitir que ele continue competindo internacionalmente.

Alegações do Irão

A Federação de Judo do Irão alega que nunca ordenou a Mollaei que não lutasse contra um oponente israelita e que o que le pretendia era esta mudança de nacionalidade. O presidente do Comitê Olímpico Nacional da República Islâmica do Irão (NOCIR), Reza Salehi Amiri, chegou a declarar publicamente que Mollaei foi feito “refém” pelo presidente da IJF, Marius VIzer. “Nosso atleta foi feito refém por eles. Vizer enviou Mollaei de Tóquio para a Alemanha de acordo com um plano pré-determinado “, disse Amiri à comunicação social do Irão. O NOCIR chegou a afirmar que Mollaei” pode retornar ao Irã sem problemas e nós o recebemos de braços abertos “.

Execução de lutador olímpico

Os temores pela família de Mollaei no Irão aumentaram após a execução no ano passado. O campeão de luta livre Navid Afkari no sábado (12 de setembro) Afkari foi condenado a duas sentenças de morte por esfaquear um segurança até a morte e por seu envolvimento em manifestações contra o regime do país em 2018. Afkari afirmou ter sido torturado para fazer uma confissão falsa, já que grupos de direitos humanos e ativistas acreditam que ele foi injustamente visado pelas autoridades iranianas para intimidar outros que pudessem escolher re para participar em protestos pacíficos.

Publicado por Tonino Chyurlia em Terça-feira, 15 de setembro de 2020

Fontes: Inside the Games, FIJ @foto-FIJ

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *