IG VESTE JUDOGI | Alicia no país da arbitragem

JUDO MAGAZINE | 25 de novembro 2020 | IG veste o judogi | Igualdade de género no judo | Associação Distrital de Judo do Algarve

Uma árbitra Presidente da Comissão Associativa de Arbitragem, um equilíbrio sustentado na composição dos órgãos sociais da ADJA e atletas mulheres de destaque no plano nacional e internacional, a Associação Distrital de Judo do Algarve apresenta um balanço tendencialmente positivo nas questões da igualdade de género.

Isto não impediu que André Alves, Presidente da Associação, tenha referido expressamente o dia de hoje, 25 de novembro, que marca o combate contra à Violência Doméstica em todo o país, como uma data importante a par do 8 de março na continuidade das ações contra as desigualdades.

A Associação Distrital de Judo do Algarve quis, e muito bem, tomar posição sobre um tema exigente e delicado e não se deixou ficar no silêncio dos indiferentes.

por ADJA, André Alves

O princípio geral da igualdade, consagrado constitucionalmente, indica-nos que devemos tratar de forma igual o que é igual, e de forma diferente o que é desigual.

Como, infelizmente, existem ainda situações de desigualdade para com as mulheres, continua a fazer sentido que se comemore o dia internacional da mulher, assim como o dia internacional da luta contra a eliminação da violência contra as mulheres, no dia 25/11/2020.

Equilíbrio

Pelo menos no que diz respeito aos últimos quatro anos, sempre pretendemos ter um número equilibrado de homens e mulheres nos respetivos órgãos sociais, contando com cerca de 30% de elementos femininos, algo que anda próximo da percentagem de atletas femininas federadas no Algarve. 

Com efeito, em 2019 tivemos 915 federados, onde 333 eram praticantes femininas.

O Judo feminino no Algarve sempre teve uma enorme tradição, já que ao longo dos anos se destacaram várias atletas femininas. Alguns exemplos são a Sandra Godinho (atleta olímpica), Ana Cachola, Joana Santos e Teresa Santos.

Ana Cachola, atleta, médica, treinadora, dirigente associativa, mãe.

Boa prática no Distrito

Existem alguns exemplos de boas práticas. Um deles poderá ser a nossa árbitra Alicia Frango (foto de Destaque), de Albufeira. Formada no Algarve e atualmente a estudar no ensino superior em Lisboa, foi indicada por esta Associação para arbitrar a nível nacional, esperando-se uma longa carreira, como é ainda a Presidente da Comissão Associativa de Arbitragem da ADJA.

Tomada de posse – Godinho

Fotos © Adja e Ana Cachola

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *