CAUSAS | Sabrina e Flávio no tatami do planeta

JUDO MAGAZINE | 8 de dezembro 2020 | Causas | FIJ

O tema dos heróis no desporto é um assunto sempre controverso. Não tanto no passado remoto mas, nos tempos atuais, seguramente. Sabemos que muitos dos que apelidam, alto e bom som, outros de heróis, desta ou daquela modalidade, recorrem a atletas com desempenhos extraordinários para os utilizar, em espelho, na construção da sua própria heroicidade.

Ou por apropriação, aproveitando temporariamente a sua proximidade no discurso (se ele ou ela o é, sou eu que estou a afirmá-lo, e por isso também contribuo para que o seja) ou, apontando o desempenho do citado herói com referências ou metas de tal forma inatingíveis que torna o do declarante do estatuto, perfeitamente aceitável. Por isso o discurso dos heróis é bom deixá-lo para a História, ela cuida bem dele.

Ainda por cima a guerra e o masculino estão profundamente amarrados ao conceito o que lhe retira, no plano social, interesse para uma utilização generalizada, nem que seja num plano meramente simbólico. Por outro lado, o assunto parece ter sido bem arrumado quando a categoria dos super-heróis, emergiu para nos recordar, na tela, no ecrã e na BD, que afinal os poderes excecionais não são para todos e muito menos para os terrenos..

Atletas inspiradores

Vem isto a propósito das figuras de referência, dos modelos ou de pessoas concretas que provocam um impacto significativo sobre terceiros e que inspiram um número elevado de outras pessoas nas suas ações e nos seus percursos.

Com a decisão de nomear Sabrina Filzmoser da Áustria e Flávio Canto do Brasil como embaixadores do clima da Federação Internacional de Judo (FIJ) o presidente Marius Vizer está a criar um novo paradigma para o judo internacional retirando o privilégio da “heroicidade” aos tatamis e aos palcos das grandes competições do World Judo Tour.

Uma dupla austro-brasileira

A dupla de atletas agora empossada deverá tomar posições sobre o aquecimento global e usar o judo de forma positiva para transmitir uma mensagem combativa.

“Estamos felizes em ver Sabrina Filzmoser e Flavio Canto juntarem-se a nós para levar uma mensagem de esperança, especialmente para os mais jovens, a quem o mundo de amanhã pertencerá”declara a FIJ num comunicado.

Do desmatamento massivo à poluição do solo por meio do hiperconsumo, a nossa civilização tem um grande impacto no meio ambiente.” reafirma a federação internacional.

Campeões ativistas

Filzmoser competiu em dois Jogos Olímpicos, em 2008 e 2012 e foi duas vezes medalha de bronze no Mundial Foi também bicampeã europeia, tendo ganho, no total, 10 medalhas no campeonato europeu.

“Como judoca, sabemos lutar pelos nossos sonhos, indo além da lua, visando mais longe do que as estrelas mais brilhantes“, disse Filzmoser. “Todos nós temos o dever de lutar por nosso frágil meio ambiente neste planeta.” adiantou ainda a atleta austríaca na tomada de posse destas novas funções.


Canto conquistou o bronze nos Jogos Olímpicos de Atenas em 2004 e também conquistou a medalha de ouro nos Jogos Pan-americanos e no Campeonato Pan-americano de Judo.

“O judo é respeito, convivência com os outros e com o planeta.Temos todo um continente de plástico, jogado nos oceanos, matando a vida marinha e extinguindo espécies. Devemos mudar o que temos feito.” reclama o olímpico brasileiro.

Instituto Reação

Canto criou em 2003 uma organização não governamental chamada Instituto Reação, que promove o desenvolvimento humano e a inclusão social através do desporto e da educação, utilizando o judo da iniciação ao alto rendimento.

“Sabrina Filzmoser e Flávio Canto são bem conhecidos por sua paixão e envolvimento em muitos projetos sociais e, portanto, estou convencido de que serão um bom exemplo para seus colegas atletas, para judocas e fãs de judo em todo o mundo.” declarou para finalizar o Presidente Marius Vizer.

Fonte FIJ. Fotos © FIJ

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *