TEL AVIV | Sami venceu Sagi e não houve final apoteótica

JUDO MAGAZINE | 19 de fevereiro 2021 | Grand Slam de Tel AVIV – Segunda Jornada

Sami Chouchi, o belga vencedor inesperado de Sagi Muki, provocou um silêncio quase incómodo na grande arena desportiva de Tel Aviv onde decorre o Grand Slam, o segundo do World Judo Tour depois de Doha, no Qatar, quando ao minuto e quarenta e um segundos do combate projetou irreversivelmente Muki e marcou ippon.

O belga vinha de uma vitória sobre Amangeldi Madi do Cazaquistão no primeiro combate das eliminatórias e ultrapassou o campeão israelita Muki com um judo eficaz e uma atitude vencedora. O campeão do Mundo de 2019 e segundo do rankimg mundial pareceu exibir um excesso de confiança e nas situações anteriores à sua projeção não deu sinais de querer liderar o combate.

Um silêncio com eco

O silêncio do minuto e quarenta e um segundos tem a sua importância num quadro politico-desportivo que estava desenhado e que contava com uma final Muki – Mollaei para encerrar com chave de ouro a dinâmica criada em torno da “saga” do iraniano e da “nova amizade” com o israelita, criando um suspense desmedido e claramente artificial no plano desportivo que é aquele que nos interessa,

Mollaei, iraniano que compete agora debaixo da bandeira da Mongólia tem os seus conflitos, por sinal com um Estado ditaturial e implacável como é o caso da República Islâmica do Irão, mas não transformem através do desporto e muito menos através do judo, uma modalidade com valores a sério, o Estado de Israel como o Estado da amizade. Também náo é razoável advogar a mudança de bandeira debaixo da qual se combate, sem um processo normal e adequado de naturalização, como se fosse uma troca de t-shirt e como se se tratasse da coisa mais banal do mundo.

Rochele

Tel Aviv ainda tem uma jornada pela frente e Rochele Nunes sobe ao tapete na categoria de +78kg na qual tem apresentado boas performances e resultados de relevo, ultimamente.

Hoje, João Fernando realizou um excelente combate contra um atleta kosovar combativo e experiente que levou a melhor de forma fulminante depois de demonstrar alguma dificuldade em lidar com a condução do combate judoca luso.

Carlos Ribeiro, coordenador editorial | Foto © IJF | Editado 20 de fevereiro 12h42

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *