TIBLISSI 2021 | COVID-19 e Ilia marcaram Tiblissi

JUDO MAGAZINE | 29 de março 2021 | Grand Slam de Tiblissi

Sem a participação das seleções do Japão e de França o Grand Slam ficou enfraquecido no seu nível competitivo e na prática ficou fragilizado na sua imagem face ao prestígio adquirido nos anos anteriores.

Foram os três franceses mas também atletas de Cuba, da Mongólia, da África do Sul, da Grécia e do Brasil que deram positivo para COVID-19 e a questão dos estágios prévios aos torneios internacionais ficou sinalizada como particularmente crítica.

Rochele Nunes

Os resultados foram favoráveis aos anfitriões (Georgia) que terminaram na primeira posição das medalhas alcançadas com 9 unidades ds quais 2 de ouro enquanto que Portugal conquistou uma honrosa 13ª posição com 2 medalhas (uma de prata e outra de bronze) e ainda 2 posições de 5º lugar e uma de 7º.

Destaque para a medalha de prata de Rochele Nunes que vence os seus combates antes da final com um elevado sentido tático e capacidade de resistência. Na meia-final, contra Yan Wang, uma atleta particularmente alta e forte, conquistou superioridade num contra-ataque no único momento em que a sua adversária chinesa arriscou. Na final, a segunda atleta da República popular da China da categoria, foi mais forte tendo até demonstrado um judo pouco habitual em +78kg, com sucessivos ataques de uchi-gari e até uchi-mata.

Rochele Nunes confirma o seu amadurecimento progressivo a um excelente nível e continua a conquistar medalhas para ela e para Portugal.

Joana Ramos

Joana Ramos trouxe o bronze para casa e reafirmou que é uma atleta de grande fôlego. Joana não brinca em serviço. Contra a holandesa Krevel, na repescagem, marcou o ritmo e impôs o seu judo para desespero da jovem neerlandesa. Tomou a iniciativa em pé e no chão e acabou por ver compensada a sua pressão atuante com uma inversão de sentido depois de um ataque menos forte á sua esquerda, projetando Krevel e marcando ippon. Já a disputa da medalha de bronze foi mais desigual para a atleta lusa , Larissa Pimenta, a sua adversária brasileira, apresentou um judo tecnicamente evoluído com sucessivos ataques em seoi-na-nage e morote-seoi-nage e exercendo uma pressão permanente. Joana Ramos controlou todos os ataques e tentou ganhar superioridade no chão. A vitória acabou por acontecer com uma terceira penalização mostrada a Larissa que estava a arevelar dificuldades físicas na reta final do combate. Uma condução tática vitoriosa de Joana Ramos que é resultado de muitos anos de experiência e de muita combatividade demonstrada nos palcos internacionais.

Catarina Costa e Joana Ramos conquistaram um quinto lugar de grande mérito nas categorias de peso de -48kg e -70kg.

FPJ

A Federação Portuguesa de Judo noticiou o desempenho dos e das restantes atletas nos seguintes termos:

Na categoria -57 kg, Wilsa Gomes (-57 kg) somou uma vitória na primeira ronda, eliminando a jovem húngara Andrea Karman (114ª no ranking) com um ‘wazari’ marcado em período de ‘ponto de ouro’. Na eliminatória seguinte, não conseguiu ultrapassar a nº20 do ranking mundial, Daria Mezhetskaia (Campeã Europeia em 2019), sofrendo duplo ‘wazari’ da russa.

Joana Diogo (-52 kg) estreou-se perante uma das cabeças-de-série da competição, Chelsie Giles. A atleta britânica, 11ª do ranking, mostrou-se superior e alcançou o ‘ippon’ perto do primeiro minuto do combate.

Nos -60 kg, Rodrigo Lopes defrontou o 38º classificado do ranking mundial, Karamat Huseynov, no seu combate inaugural. Após um confronto equilibrado, com um ‘wazari’ para cada lado no marcador, foi o judoca azeri que conseguiu pontuar no ‘golden score’.

João Crisóstomo (-66 kg) não conseguiu superar o seu primeiro adversário, Bozhidar Temelkov (nº50 do ranking mundial), da Bulgária, que triunfou por ‘wazari’.

Na categoria -81 kg, Anri Egutidze começou a sua caminhada na segunda ronda, onde eliminou o montenegrino Nikola Gardasevic (80º no ranking mundial) por ‘wazari’. Somou a segunda vitória na prova ao ultrapassar o jovem polaco Jakub Pankowski, novamente por ‘wazari’. Nos quartos-de-final, enfrentou o 19º do ranking, Sami Chouchi (Vice-Campeão Europeu em 2018). Apesar do equilíbrio ao longo do combate, o belga conseguiu superiorizar-se nos últimos 30 segundos, pontuando um ‘wazari’ antes do ‘ippon’ final. Na repescagem, contra o azeri Murad Fatiyev (40º no ranking mundial), o português voltou a ceder, sofrendo um ‘wazari’ e não conseguindo inverter o marcador. Com este resultado, Anri Egutidze termina num honroso 7º lugar.

João Fernando (-73 kg) estreou-se com uma vitória perante Lucas Diallo, 99º no ranking mundial, por acumulação de ‘shidos’ do atleta de Burkina Faso. Na ronda seguinte enfrentou Tsogtbaatar Tsend-Ochir, 11º do ranking e vencedor da última etapa do Circuito (GS Tashkent). Apesar do esforço do jovem português, o mongol conseguiu o triunfo com um duplo ‘wazari’.

Na categoria -100 kg, Jorge Fonseca estreou-se na terceira eliminatória, onde enfrentou o atleta da casa Ilia Sulamanidze. O Campeão do Mundo português começou da melhor forma, pontuando um ‘wazari’ nos primeiros 5 segundos do confronto, mas o georgiano de 19 anos, que ocupa a 46ª posição do ranking mundial, conseguiu responder com um ‘wazari’ e pouco depois com ‘ippon’, terminando a prestação de Jorge Fonseca.

Rochele Nunes medalha de prata em Tiblissi

Foto destaque e acima © Tbilisi Grand Slam 2021, BRONZE POR RAMOS vs BRA PIMENTA, -52 kg
(c) Mayorova Marina

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *