Um Open Space com novas dinâmicas

CLUBES | Instalações – Clube Judo Montijo

Os clubes de judo têm a sua história. A sua evolução é sinalizada como por pegadas no território e no tempo. Contabilizam-se participações em provas, em estágios e em torneios de intercâmbio. Registam-se sucessos desportivos, valorizam-se os troféus. Celebram-se as graduações e as festas da comunidade judoca. Mas há um elemento que perdura na memória de todos e de todas que é a configuração e o ambiente das instalações do clube. No Clube Judo Montijo foi muito recentemente dado um novo passo nesta vertente tão decisiva da sua vida com um novo espaço, que todos partilham com paixão.

Fomos ao encontro dos responsáveis do CJM, mais concretamente do Jorge Bernardes treinador do clube, para ouvirmos de viva voz o relato de um percurso que marca quem nele esteve envolvido nos últimos tempos.

Judo MagazineComo foi o percurso desde o momento em que decidiram realizar obras até chegar a esta fase de conclusão. O caminho realizado foi fácil ou surgiram muitas dificuldades?

Jorge Bernardes – Algum tempo que vínhamos a deparar com a dificuldade da falta de espaço face ao crescimento exponencial em número de atletas ao longo dos últimos anos, tínhamos feito contactos e reuniões com a Vereadora no sentido de se arranjar uma solução que nunca se concretizou. Com a pandemia agravaram-se as nossas dificuldades não só pela redução para metade do número de atletas por classe como também pela impossibilidade de realizar treinos de manhã e aos sábados com os atletas de competição. Com a agravante do nosso espaço estar inserido no pavilhão municipal e durante os dois confinamentos estivemos impossibilitados de treinar. Primeiro devido à colocação do hospital de campanha e depois com a instalação do centro de vacinação ficaríamos sem previsão para a retoma das nossas atividades.

Uma solução urgente e definitiva

Como tal tínhamos de arranjar uma solução urgente e que fosse definitiva pois iríamos perder todo o trabalho realizado nos últimos anos e o clube corria o risco de fechar as portas. Tivemos reuniões com a Sra Vereadora e o Sr. Presidente da Câmara a dar conta da situação em que estávamos a viver. Estes mostrara-se compreensíveis e interessados em nos ajudar a resolver a situação e assim gentilmente cederam-nos um antigo armazém que tinha sido adquirido pela Câmara. Celebrámos um contrato de comodato para ser o nosso futuro Dojo e sede social.

Como tal tínhamos de arranjar uma solução urgente e que fosse definitiva pois iríamos perder todo o trabalho realizado nos últimos anos e o clube corria o risco de fechar as portas. Tivemos reuniões com a Sra Vereadora e o Sr. Presidente da Câmara a dar conta da situação em que estávamos a viver. Estes mostrara-se compreensíveis e interessados em nos ajudar a resolver a situação e assim gentilmente cederam-nos um antigo armazém que tinha sido adquirido pela Câmara. Celebrámos um contrato de comodato para ser o nosso futuro Dojo e sede social.

Não foi fácil e foi preciso muita coragem para conseguirmos avançar e concretizar este projeto, pois com a pandemia perdemos cerca de 40% dos nossos atletas e teve um grande impacto nas receitas de mensalidades do clube.

 Apesar disso estávamos confiantes com o arrancar das obras, pois achávamos que com ajuda dos pais iriamos conseguir as intervenções necessárias. Infelizmente o armazém esteva em muito mau estado, o que não foi exequível a ajuda dos pais e tivemos de arranjar uma empresa de construção civil, o que fez passar para o dobro o custo inicialmente previsto para as obras.

Decisão acertada da Câmara

Havia também a questão do tempo para realizar as obras pois o clube necessitava urgentemente de abrir na data prevista pelo governo para retoma da atividade para que pudéssemos começar a gerar receitas com as mensalidades para fazer face às despesas, Se continuássemos fechados corríamos o risco de não conseguirmos abrir as portas.

Foi um grande esforço de todas as partes envolventes, muita ansiedade e muito stress, mas conseguimos que o espaço tivesse as condições necessárias para a retoma e apesar de ainda haver obras a decorrer, a 10 de Maio retomámos as aulas e foi com um enorme prazer que vimos a alegria estampada na cara dos nossos alunos estarem novamente em cima do tatami e num novo espaço que lhes dá todas as condições de prática e segurança para fazerem aquilo que mais gostam, fazer Judo.

No dia 18 de Maio, tivemos a visita do presidente da Camara que ficou muito satisfeito com os resultados da intervenção e reiterou que foi uma decisão acertada por parte do executivo terem nos cedido o espaço, pois ia ao encontro do projeto de requalificação da Câmara, onde pretendem dar “vida” à zona onde estamos agora inseridos.

Apoios e candidaturas

JMQue apoios obtiveram para concretizar o vosso plano?

JB – Os apoios obtidos foram da autarquia do Montijo que para além da cedência do armazém ficou acordado no contrato de comodato que os custos da iluminação e portões eram suportados por eles. Obtivemos também um pequeno apoio da Junta de Freguesia e da empresa Delta que iremos aproveitar para adquirir novos tatamis.

Ainda pensamos em concorrer ao programa PRID do IPDJ mas devido aos prazos não podíamos esperar pelo resultado do concurso, apesar de termos feito na mesma a candidatura para aquisição de tatamis. No programa para 2022 iremos de certeza concorrer para ver se conseguimos algum retorno no investimento feito nas obras.

JMNa remodelação das instalações introduziram algo de diferente face ao conceito dominante de “espaços de treino” (funcionalidades) tendo em conta a prática desportiva mais diversificada levada a efeito durante a pandemia de COVID-19?

JB – A nossa preocupação era ter um espaço que permitisse o funcionamento das classes em pleno, onde os nossos alunos pudessem praticar em segurança e que não houvesse restrições no número de alunos por classe.

Temos neste momento uma área de 300m2 de tatamis o que nos permite ter 2 classes a funcionar no mesmo horário e ao mesmo tempo garante todas as normas de segurança exigidas pela DGS e FPJ.

Criámos uma zona de “pés limpos” antes de entrarem no tatami o que permite também que os grupos não se cruzem na entrada e na saída e criámos um corredor até à zona da musculação onde os atletas de competição podem ir treinar sem terem de estar em contacto com os mais jovens. Como a nossa ideia é um “open space” permite toda esta dinâmica de aulas com treinos a funcionar em simultâneo. O que não acontecia no nosso antigo espaço que tinha muitas restrições a nível de espaço e em toda a dinâmica que queríamos criar no nosso clube.

Fotos: © Clube Judo Montijo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *