Os “clubes de província” apresentam-se, vamos ao Minho!

ANUÁRIO JM DOS CLUBES DE JUDO | 001, 002 e 003 | Editado por Carlos Ribeiro JM

TRÊS CLUBES, UMA FAMÍLIA


Não seria justo falar apenas de um dos clubes onde dou treino porque os 3 clubes, apesar de estarem sediados em localidades diferentes, funcionam como um só, como uma autêntica família que apesar de “distante” trabalha para o mesmo objectivo e faz as suas reuniões familiares com regularidade.
Esses clubes são, enumerando de norte para sul:Judo Clube de Caminha – de Caminha, CCD Ancorense – de Âncora, Sport Clube Vianense – de Viana do Castelo

David Costa, treinador

Falar de Ricardo Curto Lopes, é obrigatoriamente falar de Judo e do Jucaminha!

Ao falar desta modalidade de desporto é falarmos sempre de duas famílias. A família da casa, onde o marido, o filho e a filha praticam esta modalidade. E falar da família do tatami, pois o judo é a nossa segunda família. Esta segunda família partilha o melhor e o pior que se poderá encontrar num desporto, resultando sempre a superação e a aprendizagem constante, tanto a nível pessoal como interpessoal.

Susana Curto, mãe de judoca

Temos o orgulho de ter feito a abertura do European Open realizado em Lisboa, em 2016, quando a nossa coreografia de Judo Show foi seleccionada pela FPJ para o evento.



Aqui praticamos o Judo pelo Judo. Tentamos ensinar esta nobre arte aos nossos judocas das mais variadas idades, que vão dos quatro aos 80 anos.


Iniciativas e realizações

INI Estágio Internacional do Sport Clube Vianense, o Estágio Internacional de Ju Jutsu Tradicional do Jucaminha, a Gala Gímnica do Jucaminha, o Torneio Comemorativo do Sport Clube Vianense e andamos lado a lado com a Associação de Judo do Distrito de Viana do Castelo na organização da já famosa Gala de Artes Marciais da AJDVC, evento único na região.
Gostamos de organizar eventos “fora da caixa” como o Torneio Nocturno do Jucaminha, um torneio realizado depois das 20h00; a Taça do Alto Minho, onde as categorias de peso se dividem em “leves” e “pesados”; o Torneio Golden Score e sempre que possível o Torneio das Mentiras, realizado a 1 de abril.


Festas e convívios

Fazemos uma festa nos exames e cerimónia de graduações. Organizamos convívios no Natal, nos Reis e em datas importantes, onde a participação dos pais é fundamental na organização do “lanche pós treino”!
Tudo isto é realizado em conjunto com os 3 clubes, de forma a cimentar o espírito de grupo e a família que somos.

Pandemia


A perda de judocas após o primeiro confinamento foi residual e conseguimos conquistar a confiança dos pais para que continuassem a levar os filhos ao Judo, adoptando todas as normas de segurança exigidas pela DGS e após o segundo confinamento o número de atletas aumentou! O que nos deixa extremamente felizes, mas cientes da responsabilidade que é depositada em nós, treinadores e equipa técnica.

Pais cintos negros


Para curiosidade, temos nos nossos clubes pais que foram “puxados” para o Judo pelos filhos, e passo a passo foram caminhando ao seu lado e embrenharam-se de tal forma nesta arte que hoje são cintos negros com todo o mérito que lhes é devido.

Deixo agora umas palavras à Susana Curto, mãe de um dos nossos judocas de referência, o Ricardo Curto Lopes que já defendeu as cores de Portugal nos cadetes, e esposa do Ricardo Lopes, um dos nossos novos treinadores e uma peça fundamental não só no percurso do filho enquanto atleta, como no apoio que tem dado aos nossos clubes:

Ricardo Curto Lopes

O que diz a Susana?

“Como mãe também fui aprendendo e compreendendo a paixão que sentem por este desporto. Só, quem tem muita paixão e desejo de superação consegue superar as dificuldades físicas e psicológicas como o meu filho tem conseguido. Físicas superando e corrigindo algumas lesões, mas isso nunca o fez desistir da modalidade e psicológicas quando os combates não correm o melhor possível e o objetivo é treinar mais e mais para que os próximos combates sejam superados com vitórias. Esta evolução só tem sido possível pelo apoio incondicional do pai, também ele judoca e pelos seus exímios treinadores que jamais o deixam “cair” em cima de um tatami sem se levantar. O Ricardo tem tido constantemente o apoio dos seus treinadores e do seu clube. Um clube pequeno, situado no Alto Minho, mas grandioso no que se refere ao constante acompanhamento e incentivo para com os seus atletas… Os atletas são os seus filhos e como qualquer pai, espera e alcança que os seus filhos brilhem na subida aos pódios”.

Fonte: Clubes, David Costa e Susana Curto

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *