Riga, foi uma ótima experiência

CAMPEONATO DA EUROPA DE CADETES | Riga 2021

Mariana Simões acabou por ser a atleta lusa a ir mais longe no Campeonato da Europa de Cadetes ao conquistar um sétimo lugar na categoria de peso de -57kg. Outros desempenhos que ficaram aquém do esperado e do desejado constituem mais um elemento de análise e de trabalho do coletivo que se deslocou a Riga que não deixa passar estas participações e experiências sem tirar as devidas lições.

Para Mariana Simões, que entrevistámos no regresso da capital da Letónia, o balanço é positivo. Importa atender ao fato de ter sido a primeira vez que a jovem atleta da Académica de Coimbra pisou os palcos europeus a este nível.

“O combate mais difícil que tive foi contra a francesa. Entrei um pouco nervosa, sabia que ela tinha obtido alguns resultados em provas europeias. No combate contra a atleta da Letónia ressenti-me da lesão que contraí contra a finlandesa e senti alguma pressão por ela ser atleta da casa” adiantou em termos de análise de alguns combates.

“Para uma primeira vez não foi um mau resultado e para a próxima ainda será melhor!”

Um campeonato com um cenário demasiado estandardizado

Um Azerbaijão dominador na primeira jornada, uma Rússia vencedora no cômputo geral, uma França sempre presente mas tímida, Israel a confirmar um estatuto de potência, Turquia e Hungria a marcarem presença de forma marcante, um surpreendente Luxemburgo com uma medalha de prata, uma Suiça a conquistar ouro em detrimento das italianas. Portugal concluiu a sua participação no Campeonato da Europa de Cadetes de Riga 2021 na 26ª posição, a par da Grécia, pontuando através do sétimo lugar de Mariana Simões na categoria de peso de -57kg.

O cenário da prova é um pouco dececionante. Toda a carcassa das competições dos escalões superiores está omnipresente. É como um estúdio de televisão para talk-show, na circunstância sem público. Painéis publicitários idênticos, fundos de pódio monótonos com macas ilegíveis em coabitação forçada, cenário cromático a acentuar o déjá vu, indumentária dos protagonistas a surgirem como fardas: a sensação que emerge é que pouco importa quem anda por ali: a carcassa, a estrutura pré-definida, o molde publicitário e contratual é que contam, o resto é apenas animação de estrutura.

O contraste com os sorrisos, a vitalidade, as dinâmicas de grupo patentes entre estes jovens cadetes é tão grande que ficamos com a sensação que este formato torna-se um condicionamento ou uma prisão geracional. Da mesma forma que na sociedade se infantiliza o adulto, fragilizando o seu poder de pensar e agir autonomamente, aqui, enclausuram-se os jovens num universo adulto sem lhe dar espaço de expressão e de identidade. Alguns dirão que sem publicidade e sem o investimento das grandes marcas no judo muito do que acontece de positivo, em termos de promoção da modalidade, não existiria. Resta saber se um maior e melhor equilíbrio nesta gestão de interesses é possível e eventualmente desejável.

Resultados

O quadro dos 10 países mais medalhados é dominado pela Rússia seguida do Azerbaijão e de Israel nas posições cimeiras.

A presença portuguesa

O destaque vai para os atletas e para a equipa técnica mas importa sinalizar a ação de uma equipa mais vasta que inclui organizadores e árbitros que colocam Portugal numa boa relação “profissional” com a União Europeia de Judo, aprofundando a marca de sempre neste domínio mais institucional que é Catarina Rodrigues a diretora desportiva da UEJ e figura central de todo e qualquer evento desportivo europeu.

Quadros portugueses na organização do Europeu de Cadetes em Riga

Do grupo de jovens atletas da seleção nacional, que no seu conjunto viveu uma experiência particularmente importante na sua progressão desportiva e pessoal, Mariana Simões, em -57kg, acabou por ser a competidora que foi mais longe ao atingir a sétima posição.

Relembramos o percurso dos restantes atletas que a FPJ foi divulgando:

DIA 1 – 17 DE AGOSTO

O primeiro dia do Campeonato da Europa de Cadetes – Riga 2021 cumpriu-se esta terça-feira, 17 de agosto, na capital da Letónia. Até quinta-feira, 19 de agosto, 393 jovens Atletas (176 Femininas e 217 Masculinos) em representação de 37 Países, disputam os títulos europeus do escalão.

Neste dia inaugural, estiveram em ação os atletas das categorias mais leves (-40 kg, -44 kg e -48 kg femininas e -50 kg, -55 kg e -60 kg masculinas), incluindo 6 Judocas Portugueses:

Rui Anjos (-60 kg) estreou-se com uma vitória contra o lituano Mantas Leonovas, pontuando um ‘wazari’ e segurando a vantagem até ao final. Nos Oitavos-de-final enfrentou Aydin Rzayev (conta com 3 Medalhas em Taças da Europa de Cadetes), do Azerbaijão. Apesar do esforço, o português cedeu por ‘ippon’, terminando a sua prestação no 9º lugar.

Na categoria -48 kg, Bárbara Carriço também alcançou os Oitavos-de-final, após eliminar a jovem Luca Veg, por ‘ippon’, num confronto equilibrado em que a húngara já tinha pontuado um ‘wazari’. Nessa fase, teve pela frente a italiana Sofia Mazzola (Medalha de Ouro na Taça da Europa de Cadetes – Porec 2021). A jovem lusa demonstrou-se à altura do desafio, mas não conseguiu evitar o ‘ippon’ da atleta transalpina, concluindo a sua caminhada na 9ª posição.

Matilde Gonçalves (-44 kg), Denisa Grecu (-48 kg), Alexandre Becur (-55 kg) e Gonçalo Lampreia (-55 kg) demonstraram combatividade e vontade de vencer, mas não foi suficiente para ultrapassar os seus primeiros adversários.

DIA 2 – 18 DE AGOSTO

Num dia dedicado às categorias -52 kg, -57 kg e -63 kg femininas e -66 kg e -73 kg masculinas, Portugal contou com 8 Judocas em ação:

Na categoria -57 kg, Mariana Simões começou a sua prestação com um triunfo por ‘ippon’ sobre a romena Patricia Nistor, após um combate equilibrado. Na ronda seguinte, cedeu perante a francesa Maylis Rozan, por ‘ippon’. Na repescagem, a portuguesa pontuou (‘wazari’) primeiro contra Louna-Lumia Sekkula, mas a finlandesa conseguiu igualar o marcador. No período de ‘ponto de ouro’ a jovem lusa demonstrou a sua superioridade, voltando a pontuar. No combate de acesso à luta pelo Bronze, encontrou a letã Anna Gulite. Apesar do equilíbrio, a atleta da casa conseguiu superiorizar-se com um ‘ippon’. Com este resultado, Mariana Simões alcança um honroso 7º lugar.

Adriana Torres (-63 kg) começou por eliminar a finlandesa Ella Lavikainen por ‘wazari’, no seu combate inaugural. Na ronda seguinte, perante a italiana Serena Maddaloni, voltou a pontuar um ‘wazari’ e a gerir a vantagem até ao final do confronto. Nos Quartos-de-final, após um combate equilibrado, cedeu contra a austríaca Emily Starzer, com um ‘ippon’ pontuado nos últimos 30 segundos. Na repescagem, encontrou a jovem Kaja Schuster (vencedora das Taças da Europa de Cadetes Bielsko Biala 2020 e Teplice 2021), mas não conseguiu superar a eslovena que alcançou um ‘wazari’ antes do ‘ippon’ final. Com este resultado, Adriana Torres termina na 9ª posição.

Ema Rodrigues (-52 kg), Ângela Carriço (-52 kg), Raquel Brás (-57 kg), Rodrigo Janeiro (-66 kg), Manuel Batista (-73 kg) e João Alves (-73 kg) não conseguiram ultrapassar os seus primeiros adversários.

DIA 3 – 19 DE AGOSTO

Neste último dia de combates, estiveram em ação os judocas das categorias -70 kg e +70 kg femininas e -81 kg, -90 kg e +90 kg masculinas, incluindo 5 Portugueses:

Taís Pina (-70 kg) começou a sua caminhada com um triunfo sobre a letã Adele Sulte, pontuando dois ‘wazari’ (‘ippon’). A jovem lusa voltou a dominar o confronto na ronda seguinte, somando a segunda vitória e eliminando a suíça April Lynn Fohouo (Bronze na Taça da Europa de Cadetes – Bucareste 2021), por acumulação de ‘shidos’. Nos quartos-de-final encontrou a alemã Eva Ronja Buddenkotte e apesar do equilíbrio, foi a germânica a pontuar primeiro. Em desvantagem no marcador, a portuguesa arriscou, mas sofreu o segundo ‘wazari’ num contra-ataque. Na repescagem, defrontou Aleksandra Kowalewska (Vencedora da Taça da Europa de Cadetes – Bucareste 2021), da Polónia. Após vários ataques de parte a parte, mas sem alterações no marcador, o combate entrou em período de ‘ponto de ouro’. Nesta fase, a polaca (que já tinha duas penalizações) conseguiu pontuar por imobilização na sequência de um ataque da atleta lusa. Com este resultado, Taís Pina termina num honroso 9º lugar.

Na categoria +70 kg, Fábia Conceição estreou-se com uma vitória por ‘ippon’ contra a croata Marcelina Vranjes. Na ronda seguinte, apesar de ter dominado o combate perante Celia Cancan (Prata na Taça da Europa de Cadetes Teplice 2021), a francesa conseguiu dois ‘wazari’ em dois contra-ataques e selou a vitória a 5 segundos do fim.

Tiago Alves (-81 kg), João Oliveira (-81 kg) e Diogo Chantre (-90 kg) não conseguiram ultrapassar os seus primeiros adversários.

A vitória de Mariana Simões sobre a romena Patrícia Nistor em vídeo da FIJ.

Foto destaque © UEJ Anna Zelonija | Fonte da informação da participação diária dos atletas portugueses: FPJ

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *