Brito salvou a honra do convento

CAMPEONATO DA EUROPA DE JUNIORES – LUXEMBURGO 2021

A primeira jornada do Europeu de juniores teve um cheirinho a pós-pandemia, apesar de todas as medidas de segurança sanitária terem sido implementadas como já é habitual na cooperação existente entre a União Europeia de Judo e a própria IJF – Federação Internacional de Judo na organização de provas internacionais.

O público continua a primar pela ausência e as interações entre participantes permanecem muito limitadas. Mas o judo não faltou ao encontro e pudemos observar novas dinâmicas nos combates com destaque para o Ne Waza mais orientado para as chaves e os estrangulamentos a partir de posições trabalhadas nos treinos. As provas dos escalões mais jovens também servem para aferir do trabalho técnico que é realizados nos países e nos clubes e de alguma forma antecipam formas de combater que nos seniores aparecem sempre mais consolidadas.

Menos pode ser mais

Raquel Brito

Raquel Brito que conquistou um 5º lugar na categoria de peso de -48kg, uma posição inferior à do ano passado, acabou por ser a atleta com melhor desempenho do grupo alargado de jovens competidores lusos que primaram pela competitividade não tendo obtido, no entanto, as posições que desejavam na classificação final.

O percurso da atleta algesina foi o seguinte (FPJ):

Raquel Brito estreou-se na segunda ronda, com uma vitória por ‘ippon’ sobre a russa Glafira Borisova (que conta com várias medalhas no circuito internacional de cadetes e juniores, incluindo uma de Bronze na última Taça da Europa de Juniores de Coimbra). Nos quartos-de-final, cedeu contra a Campeã Europeia de Cadetes Aydan Valiyeva (que se viria a sagrar Vice-campeã Europeia de Juniores), após um ‘wazari’ pontuado pela judoca do Azerbaijão. Na repescagem encontrou Joshlyn Supusepa, dos Países Baixos, com que perdeu na semifinal da Taça da Europa de Coimbra em julho. Após um confronto equilibrado, a portuguesa conseguiu a desforra após acumulação de ‘shidos’ da adversária. Na luta pelo Bronze enfrentou mais uma adversária conhecida, Assunta Scutto (conta com 3 Medalhas de Ouro em provas internacionais em Coimbra). Após 4 minutos equilibrados, foi preciso mais 2 minutos de ‘golden score’ para encontrar a vencedora, que acabou por ser a italiana após uma técnica de imobilização. Com este resultado, Raquel Brito alcança um honroso 5º lugar.

O percurso dos restantes atletas da seleção foi retratado da seguinte forma pela FPJ :

Teresa Trindade (-57 kg) venceu a neerlandesa Emma Nalbat, com um duplo ‘wazari’ (‘ippon’), no seu encontro inaugural. No combate seguinte enfrentou Marta Garcia Martin (Medalha de Bronze na Taça da Europa de Coimbra este ano), e não conseguiu evitar o ‘ippon’ da espanhola, terminando a sua caminhada.

Nos -66 kg masculinos, Miguel Gago começou a sua prestação com uma vitória sobre o belga Zelemkhan Batchaev (Bronze na Taça da Europa de Coimbra 2021), após um ‘wazari’ pontuado a 20 segundos do fim. Na ronda seguinte, o jovem luso não conseguiu superar o ucraniano Yevhen Honcharko (Ouro na Taça da Europa de Bucareste 2021), cedendo por ‘ippon’ perto do primeiro minuto do confronto.

Maria Rosário (-57 kg), Bernardo Tralhão (-60 kg), Rafael Chambel (-60 kg) e André Diogo (-66 kg) não conseguiram superar os seus primeiros adversários, apesar do esforço e combatividade demonstrados”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *