Na periferia do judo, outras descobertas

INICIATIVAS DOS CLUBES | Estágio de defesa pessoal urbana | Sport Club Vianense

Nos anos 50 e 60 do século passado o judo tinha no imaginário popular europeu uma relação muito estreita com a ideia da “defesa pessoal”. Alguns mitos foram surgindo como o da “invencibilidade dos cintos negros” e da postura pacífica estrutural de todo e qualquer praticante da modalidade.

Pouco a pouco, com a entrada do judo nas escolas e com a construção de uma relação saudável com a Educação Física, foi ganhando o estatuto de desporto de combate. Surge desta forma como natural esta interação que em Viana do Castelo vai acontecer num estágio cuja denominação nos remete para o famoso West Side Story, musical que para além das histórias de bandos rivais de Nova York e de combates de rua envolve-nos com a música de Leonard Bernstein.

O Sport Club Vianense organiza com o apoio da Associação de Judo do Distrito de Viana do Castelo e da Câmara Municipal de Viana do Castelo um estágio de Defesa Pessoal Urbana no dia 2 de outubro. As atividades previstas no programa, que serão orientadas pelo instrutor Sérgio Parreira, irão ter lugar no Pavilhão Municipal de Monserrate.

O orientador do estágio levantou a ponta do véu e adiantou-nos alguns apontamentos sobre a modalidade e sobre o próprio estágio “Todas as técnicas, movimentos e combinações foram pensadas e desenvolvidas tendo em conta as necessidades atuais. O Combate Urbano – Street Self Defense caracteriza-se por uma abordagem lógica/realista e coerente da defesa pessoal e da luta corpo a corpo, que permite aos praticantes atingir de uma forma simples um grau de eficácia relativamente elevado num curto período de instrução. 

Definir defesa pessoal como a maneira de se defender de um ataque é não dar o devido valor ao seu significado. 

Aprende-se defesa pessoal, primeiro porque qualquer ser vivo precisa saber defender-se de uma agressão física, e, em segundo lugar, pela consciência dos benefícios que este saber traz. 

O não sentir-se ameaçado, o sentir-se capaz, acreditar em si mesmo, a luta pela superação pessoal, o desafio de se impor objetivos e transpor barreiras, além do aspeto de aumento de preparação física, levam o aprendiz de defesa pessoal a uma vida mais saudável, física e mental. 

Para aqueles que, pelo motivo que for, acham que defesa pessoal não é uma atividade compatível com a sua personalidade, saibam que desconhecê-la não irá livrá-los da violência, e nós vivemos num mundo violento”. 

Sérgio Parreira desenvolveu, baseado no conhecimento, pesquisa em experimentar e combinar técnicas um conjunto de aperfeiçoamentos, traçado de conceitos e princípios para alcançar o máximo do desenvolvimento das técnicas reais contra um ataque real. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *