Poucos veteranos de Espanha virão ao Mundial se as condições atuais se mantiverem

CAMPEONATO DE VETERANOS DE ESPANHA | Villares de la Reina 18 e 19 de setembro 2021

O Campeonato teve lugar no pavilhão desportivo e recreativo José Martín Méndez de Villares de la Reina localidade situada na periferia de Salamanca, cidade vizinha de Portugal.

As condições para uma prova deste tipo não estariam reunidas na opinião de Juan António Prado com quem a Judo Magazine falou sobre os resultados e sobre o ambiente mais geral da prova.

Juan António, que até se classificou em posição bastante favorável tendo em conta que teve que se submeter a uma intervenção cirúrgica há um anos atrás e não teve oportunidade de treinar nos termos que entende adequados (conquistou o segundo lugar do pódio), entende que o nacional de Veteranos deve obedecer a critérios desportivos e sociais. No seu entendimento, tudo correu bem e é sempre um grande prazer rever amigos e colegas da modalidade de todo o país, no entanto nem tudo foi um mar de rosas.

Desportivo mas também social

“Ninguém se desloca a uma prova destas sem pensar num programa com a sua mulher e vice-versa, as mulheres competidoras também organizam a vinda em função dos aspetos sociais e até turísticos da deslocação com os seus maridos. Quando vamos para o tapete é para ganhar e o judo de veteranos é a sério. Mas depois queremos estar com os amigos e passar uns tempos de prazer e de bem-estar” adiantou o veterano judoca que foi duas vezes campeão de Espanha.
E depois deste campeonato nacional ainda falta decidir se irá ao Campeonato do Mundo em outubro que se realiza em Lisboa.

Angers, Lille e Berlim vão ser alternativa a Lisboa

“Do que ouvi, muitos dos potenciais participantes não irão a Lisboa. São custos elevadíssimos e a norma que estabelece que quem tiver acusado positivo em COVID-19 terá que ficar 10 dias fechado no hotel, isso significa pagar 1700€. E nem toda agente pode pensar em verbas desse tipo e ainda por cima ficar na bolha sanitária” comentou Juan António que informou que “muitos atletas estão a optar por ir a Angers, a Lille e até a Berlim. Lisboa está fora de hipóteses”.

No final surgiu a justificação de uma foto (à direita) que reproduzimos em baixo e que tem um significado muito especial.

“Além do prazer de voltar à competição, encontrar tantos amigos e bons judocas, na minha memória deste campeonato terei sempre o ato emocional que, a pedido do Luis Salas, fizemos no pódio dedicando esta competição à memória de uma jovem e excelente judoca do CD Judonuba que faleceu aos 21 anos depois de uma doença grave que contraiu” concluiu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *