Participar na prova já é uma grande vitória, o resultado é um acréscimo

MUNDIAIS DE VETERANOS | LISBOA 2021 | Entrevista-flash Eduardo Garcia

Entre as três medalhas de ouro que ontem foram atribuídas aos atletas veteranos portugueses a de Eduardo Garcia, que tem tido uma presença internacional de destaque principalmente como árbitro, teve um sabor especial. A competição voltou a chamar o atleta e treinador dos Salesianos para níveis que foram aqueles que marcaram no passado o seu percurso de competidor.

Para Garcia “o sabor de uma vitória nestas circunstâncias assenta principalmente numa lógica interna. Trata-se antes de mais de superar as nossas próprias dificuldades.

Eu gosto de comemorar a minha idade com vitórias no judo, outros terão preferência por um copo de vinho alentejano.

De qualquer forma este tipo de prova serve principalmente para mostrar que as dores que temos e que transportamos connosco não nos impedem de ir mais longe e de conseguir ultrapassar as várias barreiras e dificuldades”.

Para o atual Campeão do Mundo da sua categoria “Ir a uma prova destas já é uma grande vitória e o resultado surge como um acréscimo”.

O árbitro em situação de competidor

Questionámos Eduardo Garcia sobre a sua reação de expectativa e de olhar interrogativo aquando da projeção do seu adversário francês na final, vantagem que não foi sancionada pelo árbitro central. Sentimos que o competidor naquele momento também estava a vestir a pele de árbitro experiente “sim, eu fiz a técnica e sabia que a tinha feito. Foi um momento difícil para a arbitragem. Tiveram que confirmar através de vídeo alguns aspetos: eu abracei o adversário acima do cinto e era preciso confirmar; o meu adversário estava a tentar uma técnica, mas eu iniciei a minha primeiro e no vídeo é possível clarificar este ponto. O árbitro não emitiu a sua opinião apesar de ser aconselhado que o faça, podendo depois ser anulada a decisão tomada. Olhei para os árbitros mas confesso que não os vi, nem sabia onde estavam. Foi um reflexo natural da minha parte”.

Momento da vitória para Eduardo Garcia . Campeão do Mundo Veteranos na sua categoria.

Os apoios são fundamentais

“Importa destacar nestas situações a importância dos apoios e eu tive muitos a todos os níveis. E isto é como na vida, precisamos de nos apoiar uns aos outros. Somos um animal social e dependemos dos apoios que vamos dando e recebendo. A família que escolhi, composta por pessoas principalmente do judo, constitui um fator determinante para que eu possa ter a vida que gosto de viver e fazer aquilo que mais gosto” concluiu Eduardo Garcia nesta conversa pós-primeira jornada do Mundial de Veteranos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *