26/05/2024

Jornada com bom judo, prazer e festa

Quando se chega ao Parque Desportivo Municipal de Mafra percebe-se rapidamente que a infraestrutura privilegia o bem-estar de quem lá vai. Uma área extensa de verde e de corredores ziguezagueantes é harmoniosamente ocupada por áreas especializadas para a prática desportiva. Campos de Ténis e de futebol, circuitos de manutenção, polidesportivos descobertos, pavilhão multiusos, piscinas, entre outros, são a nova ocupação do que foi no passado a antiga Quinta dos Marqueses de Ponte de Lima, constituída por um palácio senhorial, uma casa de fresco, duas capelas, um forno de cal e uma construção que se supõe ter sido um jardim.

Foi neste quadro que teve lugar a Jornada de Judo do dia 26 de fevereiro organizada pela Associação Distrital de Judo de Lisboa que mobilizou os juniores, os veteranos e os juvenis num NON-STOP que os organizadores souberam levar a bom porto, com muita emoção à mistura e uma presença e participação do público absolutamente notórias.

Não queremos só campeões, queremos campeões felizes

“Não deixa de ser interessante verificar que no Parque Desportivo Municipal, o judo tenha mais público que o futebol”, começou por sinalizar Pedro Silva, vereador do desporto da Câmara Municipal de Mafra, no início da jornada que se iria prolongar até ao fim da tarde.

Numa conversa informal, à beira da área de competição, o nosso interlocutor informou-nos “Vamos comemorar os 25 anos da existência de uma infraestrutura desportiva quase única no país. São mais de 20 hectares dedicados ao desporto. Recebemos campeonatos de judo, de karaté e de muitas outras modalidade, o que muito nos orgulha e estimula na promoção da prática desportiva. Damos muita importância ao desporto porque o seu impacto no desenvolvimento dos mais jovens é muito relevante” salientou o vereador mafrense que acompanhou os combates iniciais com alguma curiosidade.

“Este equipamento é também muito utilizado pelas escolas, praticamente todas as disponibilidades aqui do pavilhão são para a escola secundária e os diversos espaços estão sempre ocupados pelos restantes estabelecimentos de ensino. Esta relação com a educação é fundamental para o futuro do concelho em termos de saúde pública e de desenvolvimento” adiantou-nos o autarca.

“Quanto ao judo no concelho o Gonçalvinhense tem feito um trabalho excelente na promoção da atividade. O melhor exemplo é o crescimento do número de praticantes do judo. Nós não queremos ser os organizadores das atividades desportivas, isso cabe aos clubes. Queremos apenas apoiar o trabalho que eles realizam. O Gonçalvinhense é um exemplo dessa relação que procuramos que seja generalizada”, concluiu Pedro Silva.

Judo para todos os gostos

Os veteranos marcaram presença, sem complexos, lado a lado com os juniores que em muitos casos eram cadetes a competir no escalão imediatamente superior “Os cadetes vêm às provas de juniores para ganhar experiência e competir em níveis de exigência mais elevado. Quando regressam às provas entre cadetes estão mais fortes e com mais maturidade” adiantou-nos João Nunes, treinador do Judo Clube de Lisboa, sempre ativo e atento aos combates que decorrem à sua frente. “Neste momento não tenho juniores, são cadetes que estão a participar. Houve um período com um gap de atletas que seriam os juniores de hoje. Mas cá estamos. O trabalho continua”.

Os combates sucedem-se em 4 áreas de competição num pavilhão cheio de luz e de frescura. As condições são melhores que as habituais. Treinadores, atletas, organizadores, equipas de arbitragem e mesas de prova movimentam-se com facilidade, num ambiente desanuviado. As vitórias e as derrotas marcam o ritmo e os acertos de informação e progressão sobre a evolução da prova fazem-se à mesa do Diretor Técnico da ADJL, Luís Diaz.

Treinadores em permanente atividade

Árbitros em ação, por vezes com necessidade de conferenciarem

Atletas à procura do melhor resultado

Judo em Mafra, uma jornada que teve várias componentes, umas mais competitivas que outras, mas todas marcadas pelo bom ambiente e boa disposição.

Numa das mesas de prova, nem a propósito, falava-se de gastronomia e observava-se a chegada em força dos juvenis que iriam ocupar o recinto durante a tarde. A festa iria continuar com outros ritmos e outras preocupações desportivas. Carolina Costa a incansável presidente da Associação Distrital de Judo de Lisboa desabafava com a energia que lhe é reconhecida “Isto hoje vai até tarde, mas vai tudo correr bem”.

Fotos ©JudoMagazine

SOBRE O AUTOR | Editor

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *