Um combate inesquecível

MASTERS HUNGRIA 2023 – Combater contra a campeã olímpica, contra a campeã do mundo, não era preciso mais ninguém para ajudar à festa

Estávamos na segunda fase das eliminatórias. Bárbara Timo por um lado, Clarisse Agbegnenou por outro. Um combate com desfecho previsível, a super-campeã gaulesa raramente tem um deslize. Mas Bárbara tinha dado provas de consistência nos 32ªs contra a neerlandesa Van Lieshout que ultrapassou antes de mais com um sentido tático apurado.

Bárbara Timo e Clarisse Agbegnenou em Budapeste 2023

Ambas as atletas traziam indicações de não arriscar demasiado. Mas para surpresa de quem assistiu, Bárbara arriscou mais que Clarisse. A campeã gaulesa, como atleta completa que é, tentou resolver o combate no chão. Bárbara controlou bem e foi fácil verificar que houve trabalho de preparação intenso neste domínio que a atleta do Benfica nunca abraçou verdadeiramente.

E veio a guerra dos shidos

Clarisse Agbegnenou não conseguia tirar vantagem dos seus ataques e Bárbara ficou perto de pontuar com o seoi-nage à esquerda. Por vezes geria as distâncias com tentativas de uchi-gari e recorreu ainda ao makikomi que a caraterizou no passado. No Golden Score Clarisse aguardava que o cansaço reduzisse a resistência e o poder de ataque de Timo. Com um shido cedido por razões táticas na gestão de uma situação de risco, Timo foi pressionada de seguida com um segundo shido atribuído às duas atletas numa decisão aparentemente precipitada que acabou por influenciar negativamente o resultados final do combate. A terceira penalização só foi terceira, porque como afirmaria La Palisse, houve uma segunda.

São estes pequenos detalhes que fazem o judo dos grandes ser grande. E Clarisse Abgegnenou não precisa de favores para vencer apesar de em Budapeste ter sido relegada para o bronze pela atleta nipónica Miku Takaichi.

Fotos © IJF

SOBRE O AUTOR | Editor

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *