19/07/2024

Uma festa-laboratório

Lisboa organizou festival para os judocas de palmo e meio

A Associação Distrital de Judo de Lisboa insiste no objetivo de terminar o ciclo desportivo que as férias grandes encerram com festa e convívio entre os membros da comunidade judoca da capital.

Desta feita foi em Alfragide, nos espaços de lazer anexos à loja da Decathlon, que o evento teve lugar tendo o encontro informal de jovens praticantes da modalidade, dos seus treinadores e familiares, servindo para testar um modelo de festival que no futuro poderá ganhar uma nova amplitude e dimensão.

Brincadeira e aula de judo

Apesar da maioria dos judocas de palmo e meio estar equipada com o judogi o espaço relvado proporcionava todas as condições para que diversas brincadeiras ocorressem a par da prática do judo.

Uma aula no recinto central acabou por ser o momento coletivo com mais expressão da jornada. Mariana Esteves foi a orientadora da atividade que combinou judo com exercício físico. Ao seu lado esteve ainda Beatriz Martin treinadora dos Salesianos de Lisboa.

Sorteio e festa com familiares

A festa faz-se principalmente de forma muito espontânea com conversas e muitas brincadeiras paralelas ao programa estabelecido, no entanto algumas iniciativas chamaram a atenção de todos os presentes. Foi o caso do sorteio de um judogi cujo processo foi conduzido por Carolina Costa, Presidente da Associação Distrital de Judo de Lisboa. No final houve registo no pódio do contemplado, dos seus familiares e de outras participantes que quiseram expressar a sua satisfação pela dinâmica da iniciativa.

Mariana Esteves na festa com Paris na cabeça

Mariana Esteves vai estar em Paris nos Jogos Olímpicos em representação do Guiné e irá competir na categoria de peso de -57 kg. Campeã africana, Mariana tem o seu passaporte carimbado para a prova parisiense e será para os portugueses, na ausência de Telma Monteiro, o ponto de interesse mais relevante na terceira jornada do judo do Paris 2024.

Acompanhada nesta iniciativa por Beatriz Martin, atleta olímpica em representação da seleção espanhola em Sydney no ano 2000, Maria Esteves integra o lote de atletas do clube dos Salesianos de Lisboa que regularmente regista resultados de relevo em provas internacionais, com destaque para a vertente dos veteranos.

Mariana Esteves, Beatriz Martin e Carolina Costa

Para além do judo

O festival pretende ser um ponto de encontro, um espaço de aprendizagem, de partilha de saberes e de abordagens temáticas relacionadas com o desporto e a vida em sociedade.

Para tal contribuem diversas entidades, parceiras da ADJL que, sobretudo junto dos mais novos, procuram introduzir elementos relacionados com o bem-estar e a saúde e ampliam o próprio quadro de experiência da modalidade a outras dimensões lúdicas e sociais.

Renata, suporte básico de vida

Sacha, um enfermeiro bem conhecido dos judocas lisboetas por apoiar regularmente as provas de judo que se realizam no distrito, informou-nos das atividades que foram levadas a efeito no seu espaço de workshops tendo-nos referido que divulgaram “a Renata, uma plataforma dirigida ao público em geral que disponibiliza em todo o território continental e ilhas formação certificada em suporte básico de vida e desfibrilhação automática externa (SBV-DAE). O que tentei concretizar com os jovens participantes e familiares foi a identificação de sinais para responder à questão – Como é que eu sei que alguém não está Outra bem? Outra aprendizagem esteve relacionada com uma segunda interrogação – Como é que eu peço ajuda? Na atividade os pais foram envolvidos e os jovens judocas treinaram estes aspetos decisivos”.

Sacha, o enfermeiro do judo

Dar cor à festa

Mariana, João e Alice constituíram a equipa do País das Festas que trouxe muita alegria aos jovens e familiares que estiveram presentes ao realizarem pinturas faciais que proporcionaram, como nos adiantou Alice ” ânimo e alegria ao mesmo tempo que puxámos pela imaginação de todos eles. Podemos ser quem quisermos, com alguma criatividade, este foi o nosso lema na relação que estabelecemos durante as pinturas que eram selecionadas por cada um dos participantes. De seguida os balões serviram para novas brincadeiras”.

A equipa do País das Festas

Saúde oral

Ouvimos o sentido de participação no evento das CPE Clínicas pela voz de Inês Costa “Realizámos uma palestra sobre a saúde oral e como ela é importante para um bom rendimento desportivo. Não existe excelência desportiva sem saúde oral, assim a sensibilização das camadas mais jovens torna-se particularmente importante. Os miúdos adoraram. Importa reafirmar que os atletas de Alto Rendimento devem cuidar da sua alimentação e com o mesmo nível de cuidado e preocupação, da sua saúde oral. Um atleta com cárie e problemas nas gengivas apresenta-se em prova diminuído nas suas capacidades, nunca é demais reafirmá-lo”.

Inês Costa coordena a atividade das CPE Clínicas

Teste que constituiu uma boa experiência

Luís Bettencourt, do Clube Hajime, um dos organizadores da iniciativa em parceria com a ADJL, referiu-se ao evento como uma primeira boa experiência “Em Espanha existe uma iniciativa que é denominada o Miguelito que pode ser uma boa referência para este tipo de eventos. Há também a hipótese de ser distribuído um Passaporte no qual são registadas as atividades realizadas por cada um. Foi um teste, para aperfeiçoar e melhorar nas próximas edições. Às vezes começa-se com grande estrondo e depois a dinâmica vai-se perdendo. Optámos por realizar este festival de forma simples, mas com intenções de ir crescendo aos poucos.”

Luís Bettencourt do Clube Hajime

Queijos com história

Fernando Neves, um amigo do judo, também esteve presente com o seu projeto que relaciona queijos com história. Introduz neste quadro uma dimensão alimentar e cultural da qual o judo também beneficia.

Por sua vez Carolina Costa, Presidente da ADJL, fazia um balanço positivo desta primeira versão do Festival. Sempre envolvida nos diversos passos e tarefas de organização a médica-dirigente desportiva relembrou “Podemos pensar em mais atividades, não só de âmbito desportivo, que poderão enriquecer o modelo. Mas estamos satisfeitos com esta iniciativa experimental”.

Carolina Costa e Fernando Neves

Judocas de palmo e meio e organização

Os mais jovens são sempre uma marca deste tipo de eventos, no fundo dão os seus primeiros passos, acompanhados pelos pais e familiares, em atividades que irão certamente fazer parte das suas vidas nos próximos anos.

Por outro lado os organizadores, são os últimos a sair de cena. Depois das atividades há sempre a árdua tarefa de arrumar e tratar da logística de encerramento do evento.

Fotos Carlos V. Ribeiro – Judo Magazine

SOBRE O AUTOR | Editor

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *