19/07/2024

Judo-Nova Alternativa divulga medidas que tomará na gestão financeira da FPJ

Movimento exprime preocupação sobre a saúde económica e financeira da Federação

Depois da realização da Assembleia Geral que avaliou e votou o Relatório e Contas da FPJ o Movimento JUDO-Nova Alternativa sistematizou num comunicado o diagnóstico que realizou da situação financeira da federação em termos claros e categóricos:

O acumular de prejuízos anuais (que em 2023 duplicou face ao ano anterior) e da dívida a credores, que em 2023 totalizava cerca de 1,7 milhões de euros, é uma situação insustentável que deve preocupar todos os judocas, pois ameaça a continuidade da FPJ e a prossecução dos seus objetivos.

Judo-Nova Alternativa

Enquadramento das medidas propostas

“No passado dia 2 de junho realizou-se uma Assembleia Geral da FPJ, na qual o Relatório e Contas do Exercício de 2023 foi aprovado com 24 votos a favor e com 14 abstenções. Esta votação, as ausências de delegados e as reservas manifestadas pelo Revisor Oficial de Contas e Conselho Fiscal, são significativas sobre as preocupações existentes sobre a saúde económica e financeira da nossa FPJ. Compreendemos e partilhamos as dúvidas e preocupações de todos os Delegados, pois essas dúvidas e preocupações são também nossas.

Mudar a visão e a estratégia

Perante o cenário dramático, é o momento de mudar a visão e a estratégia.

A Judo – Nova Alternativa apresenta pessoas empenhadas e capazes de fazer diferente e melhor, constando do seu programa várias medidas para enfrentar os atuais desafios de gestão da FPJ:

  1. Realizar uma auditoria às contas da FPJ de forma a se conhecer a real situação económica e financeira da FPJ.
  2. Gerir de forma criteriosa e transparente os contratos-programa com o Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ) e o Comité Olímpico de Portugal (COP) em todas as suas fases (negociação, assinatura, execução e avaliação).
  3. Gerir os montantes dos contratos com a participação do seu público-alvo (praticantes e treinadores), segundo normas previamente conhecidas, partindo do montante global para o montante por atleta, sempre com base em critérios objetivos e em estreita ligação com o calendário planeado e executado.
  4. Reestruturar a atividade corrente da FPJ de modo a assegurar a sua viabilidade económica.
  5. Analisar o enquadramento da dívida da FPJ procurando soluções para o reembolso que não prejudiquem a sua viabilidade financeira.
  6. Planificar e realizar eventos que gerem benefícios económicos para a FPJ.
  7. Diversificar as fontes de financiamento para o judo de base, recorrendo, nomeadamente, a fundos comunitários, programas da Federação Internacional de Judo e da União Europeia de Judo.
  8. Aplicar as melhores práticas na angariação de patrocínios e parcerias para a FPJ, com ênfase no patrocínio de eventos desportivos e de seleções nacionais.
  9. Garantir a apresentação de informação económica e financeira clara e transparente aos Associados, modernizando os modelos de apresentação do Plano de Atividades e do Relatório de Atividades e Contas anuais, incluindo informação estatística relevante e envolvendo os Associados na execução e controlo das atividades”.

Finalmente em termos de conclusão final o JUDO-Nova Alternativa adianta “Acreditamos que é possível alcançar o equilíbrio económico e financeiro da FPJ, gerindo de forma transparente, profissional e inovadora, com respeito individual e institucional e cumprindo todos os compromissos assumidos, interna e externamente”.

Reafirmação dos objetivos

A Judo – Nova Alternativa, movimento nacional que visa revitalizar o Judo Nacional, tem como objetivos:

Fonte : Comunicado 1/2024 – Nova Alternativa 20 de junho de 2024

,

SOBRE O AUTOR | Editor

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *